Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Esposa de suspeito em morte de prefeito é presa em Colniza



A Justiça determinou na tarde deste domingo (24) a prisão da médica Yana Fois Coelho Alvarenga. Ela é acusada de ter dado cobertura a seu esposo, Antônio Pereira Rodrigues Neto, que teria participado do assassinato do prefeito Esvandir Antônio Mendes (PSB), em Colniza (1.061 km a Noroeste de Cuiabá).

Esvandir, mais conhecido como Vando, foi assassinado a tiros na tarde no último dia 15 de dezembro, no centro da cidade. O prefeito morreu após ser alvo de tiros à queima-roupa enquanto estava dentro do seu um veículo, Toyota SW4 preta, a cerca de 7 quilômetros da entrada do município.

Um carro não identificado se aproximou e bandidos efetuaram os disparos. Após ser atingido, Vando ainda conseguiu dirigir até a Avenida 7 de Setembro, no centro da cidade, quando perdeu o controle do veículo e bateu o carro. Ele morreu na hora. O secretário também foi atingido na perna esquerda e nas costas e segue internado.

Um dia após o ocorrido, o Grupo Armado de Resposta Rápida (Garra) prendeu três homens suspeitos de terem participado do crime. Foram detidos, Zenilton Xavier de Almeida, Antônio Pereira Rodrigues Neto e Welisson Brito Silva. Eles estavam em uma estrada entre os municípios de Juruena e Castanheira (880 e 735 km a Noroeste da Capital), respectivamente.

Os suspeitos estavam em um veículo Fiat Uno cinza, quando foram parados por uma viatura do Garra cerca de 20 km após Castanheira. Dentro do automóvel foram apreendidos R$ 60 mil, em dinheiro, proveniente do pagamento pela execução do prefeito. O dinheiro estava em um pacote do Banco do Brasil, sendo um montante de R$ 50 mil, e outros dois volumes de R$ 10 mil.

O suspeito Antônio Pereira Rodrigues Neto é morador de Colniza e arregimentou dois comparsas oriundos do Pará para o crime. Antônio é apontado como o mandante e também participou da execução do prefeito.

Gazeta Digital / Janaiara Soares



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News