Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Funcionário da Energisa é vítima de cárcere privado ao entrar em residência para cortar energia



Um funcionário da Energisa, identificado como E.B.R.C., de 29 anos, foi vítima de cárcere privado nesta quinta-feira (4), ao entrar na residência de um morador de 38 anos, identificado como M.F.C., para cortar o fornecimento de energia elétrica, no Bairro Boa Esperança em Cuiabá. O caso foi breve, mas a polícia foi acionada.

De acordo com informações do boletim de ocorrências, por volta das 16h45 desta quinta-feira, uma equipe da PM foi acionada para atender um caso de cárcere privado. Ao chegar ao local, os policiais encontraram a vítima que disse que trabalha na Energisa. O funcionário contou que foi até a casa do suspeito para fazer a suspensão do fornecimento de energia por falta de pagamento.

Para fazer o corte a vítima teve que entrar na residência do suspeito e depois de suspender o fornecimento, o dono da casa trancou o portão, o impedindo de ir embora. No entanto, após 25 minutos o homem deixou a vítima sair.

O suspeito disse à polícia que todas as contas estão pagas e que teria entrado em casa para pegar a fatura e mostrar para o funcionário da empresa de energia, porém, assim que entrou na residência a energia foi cortada pela vítima.

Ele confirmou que trancou o portão para impedir a saída do funcionário. Os dois foram encaminhados para a Central de Flagrantes, sem ferimentos, para que fosse registrada a ocorrência.

Funcionário assassinado

Em junho do ano passado Gilmar Francisco de Oliveira, funcionário da Energisa na cidade de Paranaíta (825 km de Cuiabá), foi assassinado a tiros quando fazia a religação de uma unidade consumidora em uma chácara no entorno da cidade. Tudo teria acontecido porque a empresa havia cortado a energia do acusado.

A vítima estava reativando o serviço. A Polícia Militar foi acionada e fez rondas pela região na tentativa de encontrar o suspeito, mas não obteve êxito.

Olhar Direto



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Mulher confessa homicídio do esposo e mistério termina sobre desaparecimento


O delegado Flávio Leonardo, responsável pela investigação do desaparecimento de Edvan Moreira, falou sobre o homicídio e forneceu atualizações cruciais sobre o caso. O que inicialmente parecia um mistério envolvendo o sumiço de Edvan, ganhou novos contornos após intensas diligências e avanços nas investigações conduzidas pela Polícia Civil.

Edvan Moreira, residente em uma fazenda a aproximadamente 50 km do centro de Canarana, teria saído para cidade no dia 7, conforme relatos iniciais. No entanto, a descoberta da motocicleta da vítima na própria fazenda, em uma área de mata a cerca de 5 km de distância, levantou suspeitas sobre o desaparecimento.

“Localizamos a motocicleta da vítima em uma área de mata próxima à fazenda onde trabalhava. No entanto, estava claramente evidente que ela havia sido deliberadamente jogada em um rio para dificultar sua localização”, explicou o delegado Flavio Leonardo.

A reviravolta no caso ocorreu quando a esposa de Edvan, após ser submetida a uma nova entrevista como parte das investigações, confessou o homicídio. Ela admitiu ter disparado três tiros contra o marido, ocultando seu corpo e a motocicleta em locais distintos, distanciados da fazenda.

“Após a execução do homicídio, a suspeita utilizou uma máquina para transportar a motocicleta de Edvan e seu corpo para locais distantes da propriedade, em uma tentativa de dificultar a descoberta”, acrescentou o delegado.

A colaboração da esposa de Edvan foi fundamental para a identificação do local onde o corpo foi ocultado. As autoridades realizaram uma inspeção no local indicado, que foi confirmado pela Polícia Técnico-Científica como o local do crime.

Além disso, a polícia está investigando a possibilidade de que a suspeita tenha recebido ajuda para ocultar os objetos e o corpo da vítima, dadas as características do local de descarte da motocicleta.

A arma do crime, uma espingarda, foi apreendida pela polícia como parte das evidências. Agora, as autoridades conduzirão exames de DNA para confirmar a identidade do corpo encontrado e prosseguirão com as acusações de ocultação de cadáver e homicídio contra a esposa de Edvan.

O delegado Flávio Leonardo encerrou a coletiva reiterando o compromisso da Polícia Civil em buscar a verdade e garantir que a justiça seja feita para Edvan Moreira e sua família. O caso continua em andamento, com as autoridades empenhadas em esclarecer todos os detalhes e possíveis cúmplices envolvidos nesse trágico desfecho.

Araguaia FM


Antenado News