Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

A Palavra - Opinião

Não foi acidente. Bebida e direção em Primavera do Leste deixaram suas marcas de dor



Com A Palavra

Acidente, acontecimento casual, fortuito, inesperado; ocorrência ou qualquer acontecimento, desagradável ou infeliz, que envolva dano, perda, sofrimento ou morte.

O trânsito primaverense já deixou suas vítimas ao longo dos tempos, os dois casos recentes fizeram duas famílias chorarem pela imprudência do álcool misturado com a direção.

Em outubro de 2017  o pequeno João Henrique, 6, foi uma das vítimas de um motociclista bêbado. Segundo informações de testemunhas o garoto estava sentado no meio fio quando foi atingindo pela motocicleta Hornet 600, sendo arrastado por cerca de 50 metros, Jocemar França estava pilotando sobre efeito de álcool, em velocidade de 93 km/h na Avenida dos Lagos, ele foi solto 25 dias após o acidente.

Outra vítima Larissa Marcário 21, estava em uma motocicleta e seguia pela Avenida Campo Grande na quarta-feira (13), quando foi atingida por uma caminhonete dirigida por Luiz Carlos Bravin, 56 anos, que foi solto audiência de custódia, que ocorreu na sexta-feira (15). O juiz arbitrou fiança no valor de R$ 100 mil.

Não foram os primeiros acidentes com vítimas fatais no município, às noites primaverense são regadas por muito álcool e manobras radicais, dados que preocupam, pois não se vem blitz da Lei Seca, que parece ter se molhado com tantos motoristas dirigindo embriagados pelas nossas ruas.

Esta se tornando rotineiro veículos invadirem comércios, subirem em rotatórias, canteiros e inúmeros postes amanhecem no chão nas segundas-feiras, porque a maior incidência acontece nos finais de semana.

O trânsito do município precisa de melhor estrutura para reprimir os motoristas bêbados, ou melhor, motoristas que assumem o risco de matar alguém, pois insistem em beber e dirigir, quantas mais famílias terão que chorar a dor da perca de um ente-querido. A culpa maior esta na impunidade, com as Leis Brasileiras ninguém ficará preso por matar alguém no trânsito, tendo como presos e punidos as vítimas destes assassinos do volante, enquanto as Leis para quem mata não os pune na medida necessária, a Lei Seca reprime e previne acidentes ou outros homicídios no trânsito primaverense, blitz da Lei Seca já e puna todos independes de poder financeiro ou influencia.

 

 

 



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News