Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

geral

Após áudio, deputado de MT acusa ex-mulher de extorsão e ameaças



O ex-prefeito de Maturpá (700 km de Cuiabá), Valter Miotto (MDB), se posicionou a respeito de um áudio divulgado pela imprensa, nesta segunda-feira (30), no qual ele admite que traia sua então esposa, Edilene Claro, e a ofende com uma série de xingamentos pesados. Por meio de nota, o suplente de deputado estadual declarou que o áudio foi “manipulado e editado” com o objetivo de prejudicá-lo.

Além disso, ele alegou que a ex-mulher tentou extorqui-lo num valor “exorbitante e absurdo” em dinheiro e, por não obter vitória por vias judiciais, teria optado por difamá-lo perante a imprensa e no cenário político. Miotto foi denunciado pela, agora, ex-esposa por violência doméstica e patrimonial, além de ser acusado de ter importunado sexualmente uma ex-servidora municipal.

Na ação, ela afirma que se casou com o ex-prefeito de Matupá em 2006, com quem teve uma filha. A mulher alega que, durante o período em que permaneceram juntos, sofreu violência psicológica, sendo agredida verbalmente e que até mesmo era proibida de sair publicamente sem a permissão do marido. 

Sobre o áudio divulgado nesta segunda-feira (29), onde ele xinga a então esposa de “vagabunda e biscatinha velha”, além de revelar que “dava no couro” com outras mulheres, o ex-prefeito disse que a gravação foi tirada de contexto e dita em um momento em que ele estava de “cabeça quente”, após ter sido provocado por Edilene Claro. “Nesta data de 29/01/2024, ela divulga na imprensa um áudio, no qual percebe-se que foi “editado” com o propósito de divulgar apenas o que interessa a ela, um áudio que claramente trata-se de uma discussão entre duas pessoas que mantiveram um relacionamento, a qual, já de cabeça quente e provocada propositadamente, acaba falando palavras de baixo calão, que em situações normais, não falaria”, explica a nota do suplente de deputado estadual. 

No momento, o casal está separado e Edilene reside na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Ele expõe que ele e sua ex-esposa passaram a travar uma discussão sobre o patrimônio que ele “adquiriu ao longo de sua vida”.

“Não obtendo êxito em conseguir o que não tem direito junto a ele, sua ex-esposa optou por ajuizar uma ação judicial, na qual grande parte de seus pedidos e alegações foram prontamente rechaçados e rejeitados pelo Poder Judiciário”, traz a nota.  Além disso, alega que Edilene teria, feito pressão e o ameaçado pedindo um “valor absurdo”, “exorbitante”, sob a ameaça de “denegrir a sua imagem de homem público caso ele não cedesse”.

“Desta forma, em razão de ele não se curvar às “ameaças” feitas por sua ex-esposa, que tentou extorqui-lo, ameaça esta à qual ele não se curvou, ela passou então a divulgar na imprensa declarações com fatos fora da realidade, que destoam da verdade, com o único intuito de obter direitos que ela não tem”, diz outro trecho do comunicado.  Na decisão assinada no dia 21 de novembro do ano passado, o juiz Anderson Clayton Dias Batista afirmou que ficou configurado nos autos um cenário de violência psicológica e patrimonial, determinando assim a aplicação de medidas protetivas contra o ex-prefeito.

Miotto, com isso, não pode manter contato com a ex, além de ter que obedecer a uma distância mínima de 200 metros. Por fim, o magistrado determinou o pagamento de uma prestação de alimentos provisionais de R$ 40 mil.

VEJA A NOTA NA ÍNTEGRA:

O ex-prefeito de Matupá e atualmente suplente de deputado estadual Valter Miotto Ferreira vem a público manifestar-se sobre o áudio divulgado hoje por sua ex-esposa nos órgãos da imprensa.

Como já foi exposto em nota anterior, ele está separado de sua ex-esposa há quase três anos, sendo que ela já reside na cidade de Porto Alegre-RS há alguns anos.

Ele expõe que ele e sua ex-esposa passaram a travar uma discussão sobre o patrimônio que ele adquiriu ao longo de sua vida, e, não obtendo êxito em conseguir o que não tem direito junto a ele, sua ex-esposa optou por ajuizar uma ação judicial, na qual grande parte de seus pedidos e alegações foram prontamente rechaçados e rejeitados pelo Poder Judiciário.

Mesmo após o ajuizamento da ação judicial, ela continuou a fazer pressão e ameaçá-lo para que cedesse à sua pressão, pedindo um valor absurdo, valor exorbitante, sob a ameaça de denegrir a sua imagem de homem público caso ele não cedesse.

Desta forma, em razão de ele não se curvar às “ameaças” feitas por sua ex-esposa, que tentou extorqui-lo, ameaça esta à qual ele não se curvou, ela passou então a divulgar na imprensa declarações com fatos fora da realidade, que destoam da verdade, com o único intuito de obter direitos que ela não tem.

Nesta data de 29/01/2024, ela divulga na imprensa um áudio, no qual percebe-se que foi “editado” com o propósito de divulgar apenas o que interessa a ela, um áudio que claramente trata-se de uma discussão entre duas pessoas que mantiveram um relacionamento, a qual, já de cabeça quente e provocada propositadamente, acaba falando palavras de baixo calão, que em situações normais, não falaria.

Ele ressalta mais uma vez que, a despeito das declarações e matérias que quase diariamente estão sendo divulgadas por sua ex-esposa na imprensa, estas realmente destoam da verdade, pois não ocorreram e passaram realmente a ser propagadas após sua ex-esposa não ter tido êxito em obter junto a ele o que não tem direito e também após ter tido uma decisão judicial desfavorável aos seus interesses.

Ele lamenta e repudia tal situação, pois acredita que a situação entre ele e sua ex-esposa deve ser tratada apenas no âmbito do Poder Judiciário, por acreditar e confiar que lá é o local e o foro adequado para tratar de assuntos desta espécie, onde já estão sendo tomadas todas as providências cíveis e criminais que o caso requer, e por isso, confia que brevemente a verdade será totalmente restabelecida no curso do(s) processo(s) judicial(ais).

Folhamax



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Mulher confessa homicídio do esposo e mistério termina sobre desaparecimento


O delegado Flávio Leonardo, responsável pela investigação do desaparecimento de Edvan Moreira, falou sobre o homicídio e forneceu atualizações cruciais sobre o caso. O que inicialmente parecia um mistério envolvendo o sumiço de Edvan, ganhou novos contornos após intensas diligências e avanços nas investigações conduzidas pela Polícia Civil.

Edvan Moreira, residente em uma fazenda a aproximadamente 50 km do centro de Canarana, teria saído para cidade no dia 7, conforme relatos iniciais. No entanto, a descoberta da motocicleta da vítima na própria fazenda, em uma área de mata a cerca de 5 km de distância, levantou suspeitas sobre o desaparecimento.

“Localizamos a motocicleta da vítima em uma área de mata próxima à fazenda onde trabalhava. No entanto, estava claramente evidente que ela havia sido deliberadamente jogada em um rio para dificultar sua localização”, explicou o delegado Flavio Leonardo.

A reviravolta no caso ocorreu quando a esposa de Edvan, após ser submetida a uma nova entrevista como parte das investigações, confessou o homicídio. Ela admitiu ter disparado três tiros contra o marido, ocultando seu corpo e a motocicleta em locais distintos, distanciados da fazenda.

“Após a execução do homicídio, a suspeita utilizou uma máquina para transportar a motocicleta de Edvan e seu corpo para locais distantes da propriedade, em uma tentativa de dificultar a descoberta”, acrescentou o delegado.

A colaboração da esposa de Edvan foi fundamental para a identificação do local onde o corpo foi ocultado. As autoridades realizaram uma inspeção no local indicado, que foi confirmado pela Polícia Técnico-Científica como o local do crime.

Além disso, a polícia está investigando a possibilidade de que a suspeita tenha recebido ajuda para ocultar os objetos e o corpo da vítima, dadas as características do local de descarte da motocicleta.

A arma do crime, uma espingarda, foi apreendida pela polícia como parte das evidências. Agora, as autoridades conduzirão exames de DNA para confirmar a identidade do corpo encontrado e prosseguirão com as acusações de ocultação de cadáver e homicídio contra a esposa de Edvan.

O delegado Flávio Leonardo encerrou a coletiva reiterando o compromisso da Polícia Civil em buscar a verdade e garantir que a justiça seja feita para Edvan Moreira e sua família. O caso continua em andamento, com as autoridades empenhadas em esclarecer todos os detalhes e possíveis cúmplices envolvidos nesse trágico desfecho.

Araguaia FM


Antenado News