Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

A Palavra

Ministro da Cultura acusa Waters de fazer “campanha disfarçada de show”



O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, voltou a criticar o músico Roger Waters por suas manifestações políticas contra Jair Bolsonaro e afirmou no Twitter, neste domingo (21), que o ex-líder do Pink Floyd recebeu R$ 90 milhões para fazer “campanha eleitoral disfarçada de show” durante sua turnê no Brasil.

“Roger Waters recebeu cerca de R$ 90 milhões para fazer campanha eleitoral disfarçada de show ao longo do 2º turno. Na Folha, chamou Bolsonaro de ‘insano’ e ‘corrupto’. Sem provas, claro. Disse aos fãs que não voltará ao Brasil caso ele ganhe. Isso sim é caixa 2 e campanha ilegal”, disparou Sá Leitão.

Diante da repercussão de suas acusações, o ministro retornou à rede social  e garantiu que sua declaração anterior não era “fake news”.

“Obrigado a você que chamou de fake news meu post sobre Roger Waters. Prova de incoerência. Por muito menos, acusou Bolsonaro de caixa 2 e campanha ilegal. Sem provas. E o que eu disse é verdade: ele recebeu R$ 90 milhões por shows/entrevistas; e está em campanha contra Bolsonaro”.

Sá Leitão já havia se manifestado contra as atitudes de Waters em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo” nesta semana. Ele contou que conversou com o empresário do cantor antes das manifestações políticas que o músico fez durante show em São Paulo e que, como fã, fica “de saco cheio” desse tipo de ação.

“Eu estive lá, conversei com o empresário dele antes. Confesso que, pensando como público, como fã, eu estou de saco cheio. A gente não consegue mais ir a um show ou ver um filme sem que haja algum tipo de manifestação política. Muitas pessoas estão com essa sensação”, afirmou.

Sá Leitão ressaltou que tem tentado manter os trabalhos da pasta sem contar com a interferência das eleições, lamentou que mais uma vez o tema ficou muitas vezes esquecido em propostas e debates e falou sobre o que espera caso Bolsonaro seja eleito. Sá Leitão citou a aproximação de Flávio Bolsonaro, eleito senador pelo Rio de Janeiro, para falar sobre a Cultura.

“Eu não tenho essa visão apocalíptica. Aos 51 anos, já vi muita coisa acontecer desde o final do regime militar. Acho que a democracia é muito sólida, temos instituições consolidadas e um bom sistema de pesos e contrapesos. Estou mais otimista, mas entendo o que você disse no que diz respeito a Jair Bolsonaro não fazer menção à cultura. As falas dele até agora foram muito poucas”, disse o ministro.

 

 

Do UOL



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News