Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

cidade

Moradores voltam a reclamar de falta de água em Primavera



Moradores dos bairros Buritis, Guterres, Primavera 3 e Padre Onesto reclamam há mais de 30 dias de falta de água. Nos finais de semana o problema se agrava e as reclamações tem sido constantes nas redes sociais.

A empresa responsável pela distribuição Águas do Xingu, declarou que problemas técnicos e manutenção são as causas da falta de água, “A Águas de Primavera monitora diariamente em tempo real o fornecimento de água em todos os bairros do município e reforça que o abastecimento na cidade opera normalmente. A concessionária salienta que as pressões de água sofrem variações em alguns momentos do dia, como nos horários de pico de consumo, porém esclarece que todas as situações estão dentro das normas para a distribuição de água”.

A empresa foi denunciada no mês passado no Ministério Público pelo vereador Luis Costa (PR), além de um grupo de moradores que procuraram a Defensoria Pública que deve entrar com uma ação civil com pedidos de providências.

A falta de água se repete em todo período de seca no município, contudo neste ano a escassez de água aparenta ter ficado ainda pior e os consumidores afirmaram em protestos pelas redes sociais que aguardam uma definição por parte da justiça que resolva esta questão de uma vez por toda.



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News