Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Brasil

Caminhoneiros fazem 2º dia de protesto em rodovias de MT contra o reajuste dos combustíveis



Dez pontos de protesto são registrados na manhã desta terça-feira (22) no segundo dia de manifestação de caminhoneiros nas rodovias federais de Mato Grosso. O protesto começou na segunda-feira (21) contra o reajuste no preço do combustível anunciado pela Petrobrás.

Há protestos em Cuiabá, Sinop, Primavera do Leste, Campo Verde, Sapezal, Comodoro, Rondonópolis, Nova Mutum e Tangará da Serra.

Veja os locais onde há protestos:

  • Primavera do Leste, BR-070 no km 282
  • Campo Verde, BR-070 no km 383
  • Cuiabá, BR-070 no km 504
  • Cuiabá, BR-364 no km 398
  • Sapezal, BR-364 no km 1.120
  • Sinop, BR-163 no km 821
  • Sinop, BR-163 no km 854
  • Comodoro, BR-174 no km 488
  • Rondonópolis, BR-364 no km 200
  • Nova Mutum, BR-163 no km 593
Também há manifestação na MT-358 em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá. (Foto: Nayana Bricat/TV Centro América)

Também há manifestação na MT-358 em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá. (Foto: Nayana Bricat/TV Centro América)

Também há manifestação na MT-358 em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá.

Segundo a concessionária que administra a rodovia, Rota do Oeste, em todos os pontos está liberada a passagem de veículos de passeio, ambulâncias e veículos de carga viva e perecíveis.

Em nota, o Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas de Mato Grosso (Sindmat) disse que a paralisação foi convocada pela (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) contra a política de reajuste de combustível da Petrobras, que, segundo a entidade, “é abusiva e prejudica toda a sociedade”.

Fonte: G1 Mato Grosso



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News