Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Região

Aeroporto de MT continua com falta de combustível após paralisação de caminhoneiros



Mesmo após a desobstrução dos pontos de manifestações dos caminhoneiros, em Mato Grosso, o Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, continua desabastecido, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Companhias aéreas estão adotando medidas de contingenciamento, cancelando programado de alguns voos, para garantir a normalidade das operações.

Cerca de 12 voos da Azul foram cancelados na manhã desta sexta-feira (1º) no aeroporto de Várzea Grande.

De acordo com a Companhia, um plano de contingência foi estabelecido desde que os bloqueios começaram, para garantir que os voos continuassem dentro do programado. Ainda assim, alguns tiveram que ser cancelados, sem prejuízos para os passageiros.

A Infraero informou que está acompanhando o abastecimento nos 54 aeroportos administrados por ela e que tem buscado junto aos órgãos responsáveis pelo setor, garantir a chegada dos caminhões com combustível aos terminais desabastecidos.

PRF faz escolta de combustível até o Aeroporto Marechal Rondon (Foto: PRF)

PRF faz escolta de combustível até o Aeroporto Marechal Rondon (Foto: PRF)

Na manhã desta sexta-feira, a Polícia Rodoviária escoltou uma carga de mais de 100 mil litros de combustível até o aeroporto.

De acordo com a PRF, a escolta foi necessária pela segurança da carga e porque existem leis específicas para tráfego de caminhões no perímetro urbano.

“Para garantir mais rapidez no trajeto até o aeroporto e impedir que a carga fosse impedida por algum motivo, os policiais fizeram a escolta”, disse o superintendente da PRF, Aristóteles Cadidé.

A PRF informou ainda que não há bloqueios nas rodovias federais que passam pelo estado. No entanto, policiais e soldados do Exército continuam nos pontos em que ocorreram as manifestações para garantir o abastecimento e a segurança.

Fonte: G1 Mato Grosso



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News