Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Região

Cinco municípios de MT ficam sem energia elétrica após chuva e ventos fortes



Os municípios de Cuiabá, Várzea Grande, Poxoréu, Pedra Preta e Rondonópolis ficaram sem o fornecimento de energia elétrica depois do temporal registrado no sábado (21). De acordo com a Energisa, mais de 100 mil clientes foram afetados por causa do mau tempo. A empresa informou que a maior parte das unidades consumidoras foram religadas, no entanto, algumas regiões permanecem sem energia neste domingo (22).

A Energisa informou que equipes foram mobilizadas em todas as regiões para fazer o reparos do estragos, causados pelas quedas de árvores, rompimento de cabos e outros danos.

O advogado André Portocarrero, que mora no Jardim Itália, em Cuiabá, conta que precisou dormir com a família em um hotel pela falta de energia. “Na minha casa, a energia acabou no começo da tarde durante a chuva e ficou em meia fase. Depois de um tempo acabou de uma vez e até agora não voltou”, afirmou.

Antes de deixar a residência, o advogado disse ainda que um vizinho com problemas de saúde foi socorrido de ambulância. “Ele é idoso e recebe tratamento homecare. Só ouvi o barulho da ambulância saindo com ele do condomínio”, contou.

Segundo a Energisa, Cuiabá e Várzea Grande, na região metropolitana da capital, foram os municípios mais atingidos com aproximadamente 100 mil clientes com o fornecimento interrompido. Em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, cerca de 3 mil unidades consumidoras foram afetadas. Já em Poxoréu e Pedra Preta , a 259 km e 243 km da capital, respectivamente, ficaram sem energia.

Temporal

O temporal ainda causou outros danos em Cuiabá e Várzea Grande, como a queda de parte do muro do Centro Socioeducativo da capital, no Bairro Planalto, e a destruição do telhado da Paróquia Coração Imaculado de Maria, localizada no Bairro CPA.

O muro dá acesso a um espaço destinado ao banho de sol e outras atividades dos menores infratores da unidade socioducativa e, com isso, não houve risco de fuga. O Corpo de Bombeiros informou ter recebido mais de 50 chamados de danos durante a chuva.

A chuva com rajadas de ventos fortes também causou outros estragos na capital, como a queda de várias árvores, inclusive interrompendo o trânsito em algumas vias, como ocorreu no Bairro CPA 3, na capital.

Fonte: G1 Mato Grosso



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News