Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

política

“Primavera tem força para ter seus representantes, basta consolidar alianças” – diz Sirlei Theis candidata a vice-governadora do estado



Na tarde desta quinta-feira (16), a candidata a vice-governadora do estado de Mato Grosso, Sirlei Theis (PV),  que compõe a chapa encabeçada por Welington Fagundes (PR), esteve em Primavera do Leste se reunindo com alguns candidatos a deputados e aliados.

Sirlei é advogada e servidora pública, natural do Rio Grande do Sul, chegou em Mato Grosso com 11 anos. Ela conta que resolveu colocar o nome à disposição após receber diversos convites. “No ano passado eu estava participando de uma câmara temática na Assembleia, que trata da autonomia gerencial das instituições de segurança públicas, como fui secretária adjunta de Administração Sistêmica da Secretaria de Segurança, e acabei coordenando os trabalhos, depois de tudo desenvolvido, recebi o convite do deputado Wancley, sobre a possibilidade de se filiar
ao partido, mas de primeiro momento recusei, pois sou mais técnica, sempre trabalhei buscando melhorias para a segurança pública, mas nunca com esse fim político, mas sim de dar o melhor para população. Depois vieram outros partidos. Porém, como me identifico mais com o Partido Verde, e todo a consciência ambiental, resolvi me filiar ao partido e colocar meu nome à disposição”, explicou.

Em relação a ter condições de ocupar o cargo já que não possui experiência política, Sirlei Theis afirmou que possui condições para ocupar o cargo de vice-governadora em razão da experiência obtida no serviço público. “Como servidora conheço muito bem a máquina pública, principalmente a Segurança Pública”, argumentou.

A candidata a vice-governadora do Estado, destaca que a apesar de as mulheres representarem a maioria do eleitorado brasileiro, a representatividade feminina na política vem evoluindo de forma tímida. “Nós vemos que a nível de Brasil, as mulheres representam 52% dos eleitores e no estado de Mato Grosso, somos mais de 50% do eleitorado, ou seja, somos a maioria do eleitorado, mas mesmo assim a participação na política é bem limitada. No cenário de Mato Grosso ainda vemos que
as mulheres que estão na política são esposas de ex-politicos ou estão diretamente ligadas a eles. São poucas as mulheres no estado que se destacaram na política por mérito. Muitas vezes os partidos veem as mulheres apenas como cota, muitas vezes eles querem apenas para cumprir cotas, mas muitas vezes não dão as mesmas condições para as mulheres que dão para os homens. Então nós mulheres precisamos nos impor, se é para entrar na política que seja para ter a mesmas condições que os homens para se eleger, e assim mostrar o nosso potencial como legisladora”, frisou.

Em relação ao cenário político em Primavera do Leste, Sirlei acredita que a população tem força e condições de eleger um representante. “Primavera tem condições de eleger um deputado, de ter um representante na assembleia, o que eu vejo é que o município tem que se definir, ver as alianças que vai fazer, pois as vezes acaba se dividindo demais e não elege ninguém. A população é que vai definir isso e deve se unir e focar em quem quer eleger. Nós temos candidatos bons aqui, temos o Luís Costa pelo PR e o Miley Alves pelo PV, e sem sombra de dúvidas são uma boa opção”.

Analisando o contexto geral do Estado, a candidata analisa que Mato Grosso precisa melhor em todos os quesitos e que para que isso ocorra, é necessário que se descentralize o sistema de gestão com controle. “Da forma que está sendo conduzido hoje, favorece a corrupção, por que não possível se fazer um controle e por isso nós precisamos mudar esse sistema de gestão, por que só assim conseguiremos mudar o estado”, opinou.

Fonte: Jaqueline Hatamoto/ Clique F5



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News