Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Mais de 400 presos por integrar organizações criminosas de roubos de veículos



Em média, um suspeito foi preso por dia, em ações investigativas e operacionais da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (Derrfva), da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso, no ano de 2017. Foram efetuadas 409 prisões de criminosos (226 em flagrante e 183 por mandados) envolvidos em roubos, latrocínios, associação criminosa, furtos, receptação, adulteração, falsificação de documentos, entre outros delitos ligados a veículos e cargas. São 114 presos a mais, em relação a 2016, quando foram presos 295 envolvidos nas modalidades delituosas.

Na Delegacia Especializada, cerca de 800 inquéritos policiais foram encaminhados à Justiça com indiciamento de mais 2 mil investigados. Entre os casos, estão quatro latrocínios esclarecidos, com os autores devidamente presos. Também foram concluídos 61 termos circunstanciados de ocorrências, de crimes de menor potencial ofensivo, e apreendidos 220 quilos de drogas, 41 armas de fogo, 261 munições e 384 veículos, recuperados nas ações da unidade.

O delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, titular da Especializada, comentou os dados. “Foi um ano bastante produtivo para a Polícia Civil e para a Delegacia. Esse número é considerado alto, fruto de um trabalho investigativo que resultou em  diversas operações policiais deflagradas”, disse.

Mesmo com flagrantes diários, a Delegacia não deixou de conduzir investigações que levaram a deflagração de operações, para desarticular organizações criminosas responsáveis por roubos e furtos de veículos e crimes subsequentes na região metropolitana, como o sequestro da empresária Milene Falcão Eubank, no dia 17 de novembro. A operação Ares Vermelho, em 17 de agosto, que desmontou uma rede criminosa que roubou mais de 400 veículos em apenas três meses. A investigação resultou no cumprimento de 126 mandados judiciais, entre prisões, buscas e conduções coercitivas.

“Tiramos de circulação uma organização criminosa, que vinha praticando diversos roubos de veículos na região metropolitana, veículos estes que eram trocados por entorpecentes, drogas, armas e munições”, destacou. “Além desse trabalho das organizações voltadas a roubos de veículos, também conseguimos apreender grandes quantidades de drogas, porque esses veículos eram trocados por entorpecentes. Apreendemos também um fuzil, fruto desse trabalho”, declarou.

O grupo era liderado por quatro detentos da Penitenciária Central do Estado, que cooptavam jovens para prática reiterada de crimes patrimoniais majorados de roubos de veículos, que eram descaracterizados com a substituição, geralmente, de placas, e falsificação de documentos, para venda no mercado interno. Mais de 70 pessoas atuavam junto à organização, das quais 51 foram presas na operação. Sessenta e um integrantes foram indiciados.

Combate a Receptação

Operações de combate a receptação de peças de veículos roubados e desmanchados foram foco da fiscalização em 125 estabelecimentos comerciais, dos quais 17 pontos, considerados desmanches, foram fechados e 4 tiveram ordem judicial para manterem as portas fechadas por tempo indeterminado.

Capacitação e ferramentas

No enfrentamento as principais organizações criminosas que roubam e furtam veículos como moeda de troca por drogas, armas e munições, principalmente, no Paraguai e Bolívia; que comercializam veículos clonados no mercado interno e aquelas que focam no desmanche de automóveis e motocicletas, porque encontraram mercado fértil na receptação de peças usadas, a Polícia Civil buscou a capacitação dos servidores da DERRFVA e adquiriu ferramentas para otimizar os trabalhos da unidade, como drones, armamentos e veículos.

“Já estamos elaborando um planejamento operacional para o ano que vem, visando combater todas as modalidades criminosas de forma mais intensa”, afirmou.

O treinamento de servidores foi direcionado à atividade fim da unidade policial. Os policiais participaram de cursos para agilizar investigações de roubo de cargas, falsificação de documentos e identificação veicular. Na gestão, a  Delegacia está 100% utilizando o Sistema Geia, dando mais celeridade as atividades cartorárias, administrativa e investigativa.

“Não podemos parar de capacitar os policiais. Infelizmente, as facções criminosas vêm avançando na forma de atuação,  agindo cada vez mais com meios tecnológicos, sempre querendo estar à frente das instituições de segurança. Não podemos ficar atrás. Temos que estar sempre à frente dos criminosos com capacitação e investimentos na parte da inteligência”, afirmou Bruzulato.

Atendimento eletrônico e prensa de veículos

O atendimento ao cidadão e as vítimas, ganhou senhas eletrônicas, dando mais controle ao fluxo de pessoas que aguardam na unidade. “Melhoramos o atendimento a vítima, ficando uma equipe para o atendimento imediato das ocorrências e outra para servir às vítimas, bem como ao público em geral. Demos também mais celeridade nas entregas de veículos e atendimento imediato para dúvidas frequentes, agilidade com o atendimento eletrônico, reduzindo o tempo de espera na unidade, tem o seu funcionamento 24 horas”, explicou o delegado.

Com autorização da Justiça, numa parceria com Departamento Estadual de Trânsito (Detran), foram prensados 35 veículos inservíveis que estavam há anos no pátio da Delegacia. “Foi um  avanço muito grande a prensa desses veículos apreendidos. Para 2018, vamos dar continuidade ao trabalho, tanto no operacional quanto na gestão. O objetivo é melhorar as condições de trabalhos dos policiais, com a reforma das instalações da Delegacia, melhorias no pátio com instalação de câmeras de segurança”, avaliou o delegado.

Fonte: Polícia Civil de Mato Grosso



COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Região

MPMT requer interdição de cadeia pública feminina de Cáceres


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Cáceres, requereu no final da tarde desta quinta-feira (22) a interdição da cadeia feminina do município. A medida foi tomada em razão da existência de infiltrações estruturais e alto risco de incêndio na unidade prisional. O pedido foi direcionado à 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

De acordo com o MPMT, a cadeia feminina do município não possui Alvará de Segurança Contra Incêndio e Pânico (ASCIP) do Corpo de Bombeiros. Inspeções realizadas no local demonstram uma série de problemas estruturais na unidade, como falta de sistemas de hidrante, de saídas de emergência, de alarme de incêndio, entre outros.

Conforme laudo técnico das instalações elétricas do edifício, encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho de Segurança, as “instalações estão em péssimas condições de conservação, com risco gravíssimo de acidentes à população carcerária e aos profissionais da segurança pública responsáveis pelo local, proporcionando alto grau de risco de incêndio a qualquer momento”.

Segundo o promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do MPMT também realizou inspeção técnica na unidade prisional, constatando inconformidades em toda a edificação que interferem diretamente na segurança dos usuários.

“O quadro existente no estabelecimento prisional fere os mais básicos direitos fundamentais do homem, sendo que a medida de interdição visa a resguardar a dignidade da pessoa humana e a proteção de risco à vida e à integridade física das presas”, destacou o promotor de Justiça.

por CLÊNIA GORETH

 

Antenado News